sexta-feira, 16 de setembro de 2016

A calma em meio ao caos: o primeiro mês do bebê

Estamos perto de completar o primeiro mês de vida do meu caçula David e o que tenho para falar desse momento é que definitivamente o caos existe e pode-se conviver com ele. 
Parece um tanto contraditório mas é verdade, no meio do caos é possível ter calma. 

Meu caçula em seu melhor estilo!


Como que é? Deve ser a falta de sono ou você pirou de vez, Alessandra.
Não, não pirei. Mas o fato é que pensei que ser mãe de três seria algo muito mais complicado e assustador, mais ainda pelo fato de estar sozinha, porém a verdade é que está muito mais simples do que quando o Francisco nasceu.
Administrar o caos é o que tenho feito diariamente e acho que estou tirando de letra. Sabe aquela história que quando não tem o que fazer você acaba relaxando e as coisas fluem? Pois é.

Um café depois de uma noite em claro pode salvar qualquer dia!

Quando nasceu o Francisco - mãe de primeira viagem - tudo era muito assustador: desde cortar a unha do bebê, passando pelo banho, sono, horas intermináveis de amamentação e cansaço. Agora estou conseguindo administrar as diversas funções com a Ana Clara e o David muito mais facilmente. Claro que tem momentos que dá vontade de sair gritando chorando ou de me trancar no banheiro e ter um momento de paz. Mas na maior parte das vezes dá pra administrar as horas de amamentação e sono do caçula com a atenção e cuidados com a mais velha. Quando Francisco está em casa tenho ainda a ajuda dele para diversas coisas como cuidar da irmã, pegar alguma coisa enquanto estou amamentando e até com o banho do caçula que ele adora participar. 


O delicioso colo do irmão mais velho





Vamos fazer uma Selfie!

Minha casa na época do nascimento do Francisco vivia um caos, hoje tenho conseguido mantê-la minimamente organizada (claro que tem brinquedos espalhados por todos os lados, mas isso é impossível não ter em uma casa com crianças).

A rotina do mais novo está sendo feita por ele próprio, sem muita dificuldade. O fato dele ser bem calmo também ajuda nesse processo. Ele chega a dormir 4 a 5 horas direto! E pra você que se preocupa se está tudo bem um bebê dormir tanto tempo assim sem mamar, essa foi uma recomendação do pediatra dele quando eu disse que o acordava a cada duas horas para mamar. Ele me deu uma bronca e disse para que eu o deixasse dormir que ele próprio ia acordar quando a fome batesse, porque não dava pra controlar um bebê como um relógio. Se ele dorme tanto tempo é porque meu leite o sustenta porque senão ele acordaria antes. 

"Mãe, deixe-o dormir para que ele a deixe dormir também" - Essa foi a recomendação do Dr. e eu a atendo feliz da vida! E não é que tem dado certo?

O que sinto é que na maioria das vezes, principalmente quando somos mães de primeira viagem, queremos abraçar o mundo e daí é que começam os problemas. Nos apavoramos com tudo o que lemos na internet ou ouvimos de mães e avós e esquecemos de ouvir nossa intuição de mãe. Aprendi agora, depois do terceiro filho, que nem sempre conseguimos fazer tudo e não tem problema deixar alguma coisa por fazer. Você tem que aprender a priorizar e fazer o que for possível. Se está na hora do bebê mamar, deixe a louça na pia para outra hora, não tem problema ter um pouco de louça acumulada. Quando acabar a amamentação e o bebê dormir você lava e pronto. Sem estresse! E às vezes o que devemos mesmo nesses momentos de relativa calma com o mais novo é atender os outros filhos. Dividir atenção, cuidados, carinhos. A Ana Clara tem se mostrado uma irmã e tanto. Ela me surpreende a cada dia com atitudes que eu nem imaginava que ela teria como dar a chupeta para o David se estou ocupada fazendo o almoço ou ainda conversar com ele enquanto encho a banheira. E não foi algo que eu pedi que fizesse, ela o vê chorando e vai lá conversar com ele no mesmo momento e ainda fala: "Não chora, Ashi" (como ela chama o David). A chegada dele a fez amadurecer, está mais falante, menos dependente. Anda se virando muito mais sozinha. Isso é tão surpreendente pois vejo que minha bebê está crescendo e se tornando uma menina. 

Não chora, Ashi!

Posso segurar, mamãe?


Então, a lição que eu tiro desse primeiro mês como mãe de três é que somos mais adaptáveis do que imaginamos e conseguimos dar conta sim. Desde que você se proponha a fazer algo, você se surpreenderá o quanto é capaz de fazer. O mais importante é não deixar o desespero tomar conta de tudo. Tenha calma e tranquilidade e vá resolvendo as situações na medida em que elas vão aparecendo. Não sofra por antecipação por algo que pode nem acontecer. A vida já tem tantos desafios para nos preocuparmos com o que ainda nem aconteceu. 

Seja feliz e viva o momento! Se preocupe com o problema quando e "se"ele se apresentar.

Alessandra Pilar
é mãe de três: Francisco - 8 anos, Ana Clara - 2 e meio e David - 1 mês

2 comentários:

gabriela pires disse...

Perfeito Alessandra.Sou mãe de 2 e o com o segundo tudo foi bem mais tranquilo.

gabriela pires disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Related Posts with Thumbnails